Novo Ensino Médio em 2021: como aproveitar a mudança e fidelizar alunos?

O Ensino Médio passará por uma reestruturação curricular. Veja o que mudou e que vem por aí no próximo ano letivo.

Em 2017, o então presidente, Michel Temer, sancionou a lei que estabelece mudanças na estrutura do ensino médio. Esse novo modelo passará a valer a partir de 2021. O processo de construção do currículo começou em 2019 e foram ouvidos 140 mil estudantes e 18 mil professores, de acordo com o Governo.

Segundo o MEC, este novo formato de Ensino Médio irá atender melhor às necessidades dos estudantes. Além da formação geral, os alunos poderão escolher, dentre os oferecidos pelo currículo aprovado pela BNCC (Base Nacional Comum Curricular), algumas disciplinas nas quais pretendem aprofundar seus conhecimentos.

A ideia é que os estudantes se interessem mais pelo estudo com este novo formato. A expectativa é que o índice de permanência na escola volte a crescer e que os resultados da aprendizagem sejam melhores Além disso, também é esperada melhora na qualidade do ensino e na aproximação dos estudantes à realidade do mercado de trabalho, com uma formação mais técnica.

O que muda na grade curricular do novo ensino médio?

O novo modelo de ensino prevê algumas mudanças que irão impactar não só os alunos, mas também todo corpo estudantil. Uma das principais mudanças será no número de horas do currículo. Na grade antiga, o tempo mínimo do estudante no ensino médio era de 800 horas. A partir de agora, os alunos terão 1000 horas anuais.

Outra mudança importante é a criação dos “itinerários formativos”, que são as disciplinas optativas. Eles serão divididos por áreas de conhecimento, sendo elas: Matemáticas e suas Tecnologias; Linguagens e suas Tecnologias; Ciências da Natureza e suas Tecnologias; e Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.

As instituições de ensino estarão livres para definir quais itinerários irão oferecer, mas é necessário ter pelo menos um na rede de ensino e a escolha do itinerário deve envolver toda a comunidade escolar. O aluno, por sua vez, poderá optar por até duas áreas de conhecimento para se aprofundar.

As disciplinas básicas, a partir deste novo modelo, serão: língua portuguesa, matemática, educação física, arte, sociologia e filosofia. Elas serão oferecidas ao aluno independente das matérias escolhidas como aprofundamento no itinerário formativo.

Além disso, a língua inglesa também passa a ser considerada uma matéria obrigatória a partir do sexto ano do ensino fundamental e seguirá até a formação no ensino médio. As escolas também podem ofertar outros idiomas, preferencialmente o espanhol.

Como comunicar essa mudança na sua escola?

Para que os alunos se adaptem à essa nova realidade, é necessário iniciar um processo para a criação de uma nova cultura nos estudantes, pois eles terão mais liberdade e, com isso, novas responsabilidades. Os alunos precisarão escolher por qual área vão seguir, o que torna indispensável o aconselhamento e acompanhamento por parte dos profissionais da área.

É dever da escola criar o diálogo entre o aluno e o profissional, mostrar as possibilidades ofertadas e orientar nesse momento inicial a fim de responder possíveis dúvidas. O novo formato de ensino médio terá muito impacto na vida dos estudantes, principalmente no desenvolvimento da vida profissional. Por isso, todo apoio será válido.

O novo modelo de ensino médio já é adotado em outros países.

Com o cenário de mudanças no ensino médio, as escolas podem se preparar para incorporar as mudanças que estão sendo apresentadas para a melhora curricular. Apesar do alto nível de responsabilidade e dos desafios, a mudança agrega muito valor às instituições de ensino. Esse modelo é uma tendência em outros países, como nos Estados Unidos, e as instituições que optam pelo novo método de ensino já saem na frente na hora de promover a inovação.

Após um 2020 com muitas mudanças rápidas no cenário educacional, adotar esse modelo mostra que a instituição de ensino está em busca de melhorias para os alunos, o que deve ser explicado também aos pais e responsáveis. O ensino médio atualmente no Brasil é dado como insatisfatório e o índice de evasão é muito grande. As escolas que adotam essa tendência também mostram que estão preocupadas com o desenvolvimento do ensino e que pretendem aumentar a barra da qualidade na educação, uma vez que será preparatório para o mercado de trabalho.

O novo modelo de Ensino Médio veio para dar esperança para a educação no Brasil. Para atrair e fidelizar novos alunos, é necessário acompanhar as mudanças na matriz curricular; revisar o quadro de professores que possam auxiliar nesse processo de mudança; montar uma equipe multidisciplinar de apoio psico-pedagógico que possa fortalecer a tomada de decisão dos alunos no que se refere às suas matérias eletivas; e comunicar pais e responsáveis acerca das alterações na grade curricular.

Apesar dos desafios, o novo ensino médio visa melhorar o ensino e oferecer aos alunos novas possibilidades e ajudar a aumentar o interesse dos jovens pelo estudo, formando profissionais mais capacitados e prontos para o futuro.



Deixe uma resposta