MOOCs: como esta inovação está democratizando o acesso à educação

O acesso à educação no Brasil, especialmente quando falamos a respeito do ensino superior, ainda é muito precário. De acordo com a pesquisa Education at Glance 2016, realizada pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), apenas 14% dos brasileiros adultos chegaram a este estágio da vida acadêmica. Até mesmo a média mundial, 35% segundo o estudo, é motivo de preocupação. A formação acadêmica dos indivíduos reflete diretamente no salário que recebem – segundo o relatório, profissionais com ensino superior completo ganham mais do que o dobro daqueles que concluíram apenas o ensino médio.

A tentativa de ampliação das fronteiras físicas do ensino e melhoria no acesso à educação motivou a criação dos Massive Online Open Courses (MOOCs), termo traduzido livremente como Cursos Abertos Online e Massivos, em 2011. Tratam-se de cursos disponíveis gratuitamente na internet, que têm como objetivo a democratização do ensino técnico e superior por meio dos ambientes digitais.

O primeiro MOOC foi oferecido pela Universidade de Stanford, dos Estados Unidos, com a temática da Inteligência Artificial. Foram mais de 160 mil inscritos, abrindo as portas de um dos maiores institutos educacionais do mundo gratuitamente para pessoas de todos os cantos do planeta. Hoje, os MOOCs despertam o interesse até mesmo de gigantes do ramo tecnológico como o Google, por exemplo, que mantém a plataforma Open Online Education com o objetivo de que qualquer um possa desenvolver e aplicar um MOOC dentro desse ambiente virtual.

 

Requisitos para cursar um MOOC

Para o ingresso de um aluno em um MOOC, é fundamental que ele tenha acesso à internet, dentro ou fora de sua casa, e uma boa noção de disciplina, autonomia e independência. Além disso, o comprometimento é fator-chave nesta modalidade de aprendizado. Ao contrário de uma vídeoaula comum, os MOOCs têm sistemas de avaliação objetivos e, até mesmo, discursivos.

Contudo, a grande barreira para o ingresso em um MOOC – especialmente para os brasileiros – é o idioma. Boa parte dos cursos só está disponível em inglês, e apenas os conteúdos produzidos originalmente em países lusófonos são oferecidos na nossa língua – com exceção da plataforma Coursera, que possui parcerias na área de tradução.

 

Características dos cursos

A maioria dos MOOCs funciona a partir da formação de turmas: há um prazo determinado de inscrição e conclusão para cada curso, e os prazos são rigorosamente cumpridos. Com isso, cria-se a oportunidade de interação entre os alunos, em fóruns de discussão e grupos independentes nas mídias sociais.

Além disso, os MOOCs reconhecem a importância dos testes discursivos, ainda pouco presentes no ensino à distância. A avaliação é feita pelo sistema peer-assessment, ou avaliação dos pares, que distribui trabalhos entre a turma de forma aleatória e anônima, e cada aluno deve avaliar o trabalho de determinado número de colegas. A correção de cada conteúdo contribui para a avaliação final dos alunos, além de provocar a revisão dos conteúdos já abordados.

 

Como encontrar um MOOC?

Diversas plataformas gratuitas já estão disponíveis, reunindo algumas das mais influentes universidades do mundo. Confira algumas das principais:

  1. Coursera

A maior plataforma de e-learning relacionada aos MOOCs oferece mais de 2 mil cursos diferentes, em 62 universidades diferentes, como Stanford, Columbia e Yale. O acesso às aulas é gratuito e a emissão do certificado é cobrada.

A partir da coordenação, realizado no Brasil pela Fundação Lemann, é oferecida a tradução dos cursos para o português, seja na íntegra ou apenas por meio de legendas auxiliares.

  1. edX

Criado pela Universidade Harvard e pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), em 2012, o edX possui aulas das mais diversas áreas: de História à Tecnologia da Informação, passando pelo Direito, por exemplo. O acesso às aulas é gratuito, enquanto a emissão do certificado é cobrada.

Esta plataforma não possui recursos de tradução, mas oferece dois cursos inteiramente compostos na língua portuguesa europeia.

  1. Veduca

A plataforma nacional de MOOCs abriga cursos da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Brasília (UnB). Entre eles estão o de física básica, probabilidade e estatística e bioenergética.

  1. Khan Academy

A Khan Academy foi fundada em 2007 por Salman Khan, numa iniciativa sem fins lucrativos de levar ensino de qualidade e gratuitamente para qualquer um em qualquer parte do mundo por meio de vídeos na internet. Matemática, Ciências e engenharia, Economia e finanças, Computação, Artes e humanidades, Desafios são as áreas oferecidas na página em português. Há material destinado aos alunos, mas também aos professores e aos pais. A Khan tem parcerias com instituições como a Nasa, a Academia de Ciências da Califórnia e o MIT para ofertar conteúdo especializado.

Portanto, a internet pode ser a principal aliada daqueles que procuram complementos às suas formações e o enriquecimento do currículo. E, também, abre as portas para as instituições que desejam ampliar a escala de seus conteúdos – ampliando as fronteiras da sala de aula para o mercado mundial.



Deixe uma resposta