Alunos com necessidades especiais: sua instituição está preparada para recebê-los?

Atender alunos com necessidades especiais é um desafio para qualquer instituição de ensino. No entanto, é importante lembrar que a adaptação da escola para as necessidades específicas de estudantes é obrigatória e precisa ser posta em prática o quanto antes.

As instituições de ensino tem obrigação de atender alunos com deficiências físicas e com transtornos específicos que possam prejudicar o aprendizado. Isso inclui alunos com Transtorno do Espectro Autista (TEA), deficiências visuais, mentais, e mais entre outras.

Será que a sua instituição de ensino está preparada para atender todos esses alunos? O que é necessário para estar preparado? Continue lendo este artigo e tenha a resposta para todas essas dúvidas!

Qual a importância de adaptar sua instituição para alunos com necessidades especiais?

Ter uma instituição de ensino adaptada para alunos com necessidades específicas é essencial. Essa é uma obrigação imposta por lei para as escolas, que afirma que a instituição deve ter toda a estrutura necessária para o conforto e aprendizado do estudante.

Sua instituição de ensino não deve ter somente uma equipe preparada para receber esse estudante, mas também garantir o acesso do mesmo para as áreas comuns, de lazer e salas de aula. Rampas de acesso, piso tátil e banheiros adaptados são apenas algumas das ações necessárias.

No entanto, existem muitos outros detalhes que também devem fazer parte da adaptação para garantir o acesso igualitário para esses estudantes. Continue lendo e confira!

Quais são os tipos de necessidades específicas?

A definição de deficiência na lei pode ajudar você a entender melhor esse cenário. A lei nº7.853 define deficiência como vários tipos de dificuldades físicas, cognitivas e até de comunicação que podem fazer parte da rotina de um estudante com necessidades específicas. Confira:

Deficiência física

De acordo com a lei, a deficiência física é qualquer alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos ou membros do corpo que comprometa a função física. Pode ser paraplegia, paraparesia, monoplegia, tetraplegia, monoparesia, amputação de um membro, paralisia cerebral, e até mesmo nanismo, deformidades e outros.

O importante a entender aqui é que essas deformidades ou alterações físicas só são consideradas deficiência caso gerem dificuldades físicas para desempenhar funções ou atividades.

Deficiência mental

Deficiência mental é qualquer uma que se apresente como um funcionamento intelectual inferior à média e limitações de algumas habilidades específicas. Dificuldades em áreas como comunicação, cuidado pessoal, habilidades sociais, saúde e segurança, habilidades acadêmicas e trabalho, estão dentro do que se considera deficiência mental.

Isso significa que transtornos que influenciam nessas áreas também devem ser considerados.

Deficiência auditiva

Qualquer tipo de perda auditiva que comprometa parcial ou totalmente a audição é considerada deficiência. Pode ser uma perda bilateral ou unilateral, desde que igual ou superior a 41 dB.

Deficiência visual

Se o aluno tem uma acuidade visual igual ou menor a 0,05 no melhor olho, ele possui deficiência visual. Se ele possui um campo visual em ambos os olhos menor a 60º, ou mesmo a junção desse e a condição citada anteriormente, também são consideradas deficiência.

Como preparar a sua instituição para receber estes alunos?

Ainda que a lei auxilie a entender o que é necessário para começar a adaptar a instituição para os alunos com necessidades especiais, ainda existem muitas dúvidas sobre o assunto.

Logo abaixo, confira alguns dos passos mais importantes para começar a adaptar a sua escola para as necessidades dos estudantes.

Adapte todos os locais de acesso

É importante que todas as vias de acesso e áreas da sua instituição estejam adaptadas para alunos com necessidades específicas. Isso significa colocar rampa de acesso, nivelar o piso nas áreas externas e adaptar a largura das portas para que alunos cadeirantes possam acessar as salas sem dificuldades, por exemplo.

Outra adaptação necessária é colocar piso tátil, que ajude estudantes com deficiência visual, além de disponibilizar corrimões apropriados nas rampas e escadas. Outro ponto importante é disponibilizar banheiros adaptados.

Tenha móveis adaptados

Sim, um detalhe esquecido por muitas instituições é quanto aos móveis, sobretudo as carteiras de estudantes. O ideal é que pelo menos 1% das carteiras de cada sala de aula seja adaptada para estudantes cadeirantes, com altura flexível.

Além disso, é importante que existam móveis adaptados também nas áreas de lazer, refeitório ou lanchonete, garantindo pleno acesso do aluno.

Use material didático especial

Não adianta ter uma instituição toda preparada para o acesso de estudantes com necessidades específicas, se você não disponibiliza material didático adaptado. Estudantes com deficiência visual, por exemplo, precisam de material didático completamente adaptado em áudio ou braille.

Já estudantes com deficiência auditiva, vão necessitar de um intérprete de libras, que facilite a compreensão da aula. Além disso, estudantes com outros tipos de transtornos também podem precisar da presença de algum profissional que o acompanhe na sala de aula e facilite o aprendizado.

Preparar professores e profissionais para lidar com esses desafios também é essencial para a inclusão. Outros pontos, como fornecer a sinalização adequada nos espaços da instituição ou disponibilizar vagas prioritárias no estacionamento, também devem receber a sua atenção.

E então, está pronto para começar a adaptar a instituição para alunos com necessidades especiais? Se você gostou das dicas e quer mais informações sobre ensino e gestão educacional, nos acompanhe através das redes sociais.



Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.