Blended Learning: tendência que alia EAD e ensino presencial

As instituições de ensino recebem pessoas de diversos padrões familiares, culturais e comportamentais. São espaços que refletem, diretamente, a pluralidade da sociedade contemporânea. Este fato representa uma variedade incalculável de perfis entre os alunos, fazendo com que cada um adquira o conhecimento de formas diferentes, em períodos e ritmos distintos.

Contudo, a rotina imposta pelo modelo de ensino tradicional padroniza os métodos, desconsiderando estas diferenças e inserindo uma barreira invisível entre cada aluno e a sua própria educação. O Blended Learning surge como uma alternativa a este processo, agindo como um sistema de aprendizado híbrido: entre aulas presenciais e à distância, é percebida a melhora de desempenho em ambas as modalidades de ensino.

O Massachusetts Institute of Technology (MIT) define o Blended Learning como uma estrutura de ensino que utiliza mais de um método de aprendizagem: dentro ou fora da sala de aula. Para que ele seja implementado com sucesso, é fundamental que aconteça uma mudança na dinâmica de aprendizado na sua IES: os alunos devem absorver os assuntos a partir das aulas online e trazer dúvidas para os encontros presenciais, aproveitando o tempo disponível da forma mais inteligente e dinâmica possível.

As técnicas de aprendizado híbrido economizam tempo, recursos e proporcionam mais dinamicidade e personalização para o ensino. Além disso, o Blended Learning serve para quebrar a barreira, ainda muito presente no nosso cotidiano, entre o brasileiro e o uso da tecnologia na educação. O Censo da Educação Superior de 2013, por exemplo, aponta um crescimento no número de matrículas para cursos à distância, mas o número absoluto de alunos ainda é sete vezes menor do que o das graduações totalmente presenciais.

 

Atividades síncronas e assíncronas: qual a diferença?

O Blended Learning pode ser estruturado de forma síncrona ou assíncrona. A primeira acontece nos casos em que professores e alunos precisam estar presentes no mesmo horário, privilegiando discussões em grupo, interação face-a-face, supervisão de um especialista na resolução de problemas e a construção de cultura.

Já a estrutura assíncrona permite o acesso de módulos de aprendizagem em um tempo e velocidades específicos – acomodando todos os perfis de estudantes. Além disso, proporciona maior tempo de reflexão e, desta forma, menor pressão no processo de aprendizado. É a alternativa mais flexível, para aqueles cursos em que a prática é fator chave.

O assincronismo facilita, ainda, a inclusão de alunos geograficamente distantes, além de uma maior frequência na atualização de conteúdos. Devido ao fato de o Blended Learning ter, também, aulas presenciais, é impossível que ele seja estruturado de forma puramente assíncrona. A predominância, no entanto, pode ser uma ou outra.

Vantagens do Blended Learning

Na prática, o Blended Learning traz para o universo do ensino à distância uma maior humanização entre alunos, professores e instituição de ensino. Além disso, reduz-se o custo da educação por meio da formação de turmas, possibilitando assim o desenvolvimento de dinâmicas individuais e coletivas com facilidade.

É fundamental que se reforce, mais uma vez, a integração entre alunos de perfis diferentes: aqueles que adquirem conteúdo por meio da visão e da audição, os mais práticos e objetivos, aqueles que necessitam da interatividade, e assim por diante.

A eficácia do Blended Learning em países como os Estados Unidos já é consolidada por meio de depoimentos e dados quantificados. O Departamento de Educação Americana, por exemplo, afirma que a metodologia híbrida gera mais acertos e sucessos do que a tradicional – incentivando, assim, a sua implantação.

Como montar a sua estrutura de BL

Um bom planejamento é decisivo para quem deseja adotar o sistema de Blended Learning em uma IES. Em primeiro lugar, é preciso identificar se há potenciais alunos interessados nessa mudança, dentro do universo de público disponível para a sua instituição. Afinal, apesar de ser uma alternativa mais econômica do que a abertura de novos cursos presenciais, o ensino híbrido também requer profissionais qualificados e investimentos em infraestrutura.

Em seguida, é preciso traçar os objetivos e determinar uma escala de prioridades: quais os conteúdos mais importantes e urgentes para o curso em questão? Qual parte do aprendizado será realizada em cada ambiente? A ementa deve ser pensada com muito cuidado, otimizando o aproveitamento dos recursos online e offline para cada um dos alunos – tornando o Blended Learning, de fato, um diferencial competitivo para a sua IES.

A partir daí, é essencial que se continue um trabalho de monitoramento quanto ao desempenho dos seus estudantes. Além das notas individuais, você deve ouvi-los e acatar, na medida do possível, as suas críticas e sugestões sobre o andamento do curso. Gestores, educadores e alunos, geralmente, possuem percepções diferentes sobre um mesmo tópico – e todas devem ser levadas em consideração no processo de reavaliação de uma instituição de ensino.

Por fim, a consistência do seu curso deve ser observada. Os métodos presenciais e EAD devem coexistir e se complementar, em vez de se repetirem – ou, até mesmo, se contradizerem. Portanto, o planejamento deve ser discutido e reavaliado periodicamente – melhorando, assim, a satisfação dos seus alunos e o relacionamento deles com a sua instituição.

É importante salientar que, quando falamos em educação, não podemos apontar uma fórmula que determine com absoluta certeza o sucesso de uma metodologia de ensino. A educação, como valor intangível e incalculável, tem um alto grau de subjetividade. Sendo assim, é preciso descobrir o que funciona para você, na sua instituição, através do feedback direto da sua comunidade acadêmica.

Assim sendo, a tecnologia pode se tornar o braço direito da sua IES na busca da excelência de formação e prospecção de novos alunos. Além do Blended Learning, outras alternativas podem transformar as máquinas em grandes aberturas nas fronteiras de tempo e espaço impostas pelas paredes das salas de aula tradicionais – aliando inovação, organização e excelência para a sua instituição de ensino.



Deixe uma resposta